A Rede de Monitorização da Região Alentejo



Com base em critérios pré-definidos e em informação adicional, nomeadamente, sobre a orografia, uso do solo ou densidade populacional, foram delimitadas na Região Alentejo duas zonas: a Zona do Alentejo Litoral e a Zona do Alentejo Interior.

Na Zona do Alentejo Litoral existem quatro estações fixas que, quanto à sua localização, tentam cobrir todas as direções no que diz respeito a emissões produzidas pela plataforma industrial de Sines: Monte Chãos, Monte Velho, Sonega, Santiago do Cacém. Estas estações realizam medições em contínuo e estão apetrechadas com analisadores dos principais poluentes, de acordo com a legislação em vigor.

Quanto à sua localização/ambiente envolvente e objetivo/influência, a estação de Monte Chãos é do tipo Suburbana Industrial; Monte Velho constitui uma estação Rural de Fundo; a estação da Sonega é Rural Industrial, enquanto que Santiago do Cacém é uma estação Urbana Industrial. Existe, ainda, um posto de recolha de amostras de partículas em suspensão, situado em Sines (que recolhe amostras da fração PM10 e que, apesar da sua característica de ponto de amostragem é considerada uma estação Suburbana de Tráfego). Neste posto de recolha de amostras funciona um amostrador sequencial de baixo volume, de amostragem descontínua – uma amostra de 24 horas de três em três dias. 

Na Zona do Alentejo Interior, está instalada uma estação fixa de medição em contínuo, na localidade de Terena, concelho do Alandroal, onde são medidos os principais poluentes. É uma estação do tipo “rural de fundo”, quanto à sua localização/ambiente e objetivo/influência.

Ver mapa

Além das referidas estações fixas, a CCDR tem desde 2009 uma estação móvel, constituída por um abrigo onde estão instalados os analisadores para todos os parâmetros (poluentes) de qualidade do ar legalmente previstos, montado sobre um atrelado rebocável. Este é um equipamento importante para a monitorização da qualidade do ar que, pela sua capacidade de deslocação, pode acorrer a situações pontuais na sequência de reclamações ou, ainda, contribuir para a realização de estudos em áreas nas quais não existe informação sobre este fator ambiental. 

© 2021 Copyright: DSTIC | CCDR Alentejo